Resenha Cinco dias




Cinco dias - Até que ponto você estaria disposto a se sacrificar por amor?
Duas pessoas. Um prazo. Uma escolha impossível.
Julie Lawson Timmer
Novo Conceito, 2015

Sinopse: Mara Nichols é uma advogada bem-sucedida, esposa e mãe dedicada. Ela está doente. Uma doença devastadora. Ela precisa colocar um fim ao sofrimento dos últimos tempos.
Scott Coffman é um professor do ensino fundamental que precisa cuidar de um garoto de oito anos enquanto a mãe do menino cumpre pena na prisão.
Mara e Scott têm apenas cinco dias para dizer adeus àqueles que amam. Essa talvez seja a maior prova de amor que poderiam dar a essas pessoas.

Jodi Picoult ao elogiar a trama e autora não podia estar mais certa em sua conjectura, a trama fluida e de carga dramática forte conquista o leitor por abordar dois temas que em geral são formulas para sucesso: tristeza e amor, sentimentos que todos nós carregamos e nos interessamos em ver nas tramas, como um reflexo
Mara e Scott estão dando adeus a vida que consideram a certa para si, ele esta com a difícil missão de dizer adeus à um garoto que cuidou e amou durante o período que foi seu guardião legal, ele se afeiçoou ao menino, estabelecendo vínculos que ao mesmo tempo que foram essenciais para o período que viveram juntos agora fazem com que a despedida seja ainda mais dolorosa.
Despedir-se de Curtis e saber que a vida dele ao lado da mãe seria novamente uma sucessão de fracassos, a vida que o menino levava era regada de pobreza, vícios e maus exemplos, sendo ele um menino com um possível futuro matar isso aprisionando-o em uma vida sem perspectivas faz Scott se sentir mau e também me deu a mesma sensação, por várias vezes eu mesma quis poder cuidar de Curtis.

“E o menino estava lá agora, e precisava dele. Um menino prestes a voltar para um mundo sem três refeições diárias, com roupas sujas e uma mãe nem sempre lúcida. E, embora Scott tivesse por fim aceitado o conceito de que ficar com a mãe era melhor para Curtis do que estar separado dela, ele continuava arrasado ao pensar no tipo de vida que seu Carinha estava deixando para trás, e o tipo de vida para o qual retornaria. E era tão, mas tão difícil pensar em qualquer outra coisa.”p. 114

Mara, a mãe, esposa, sócia e workaholic teve toda sua vida mudada ao descobrir que tem uma doença rara e degenerativa que não só esta destruindo seus neurônios, mas pouco a pouco lhe tirando a vida e seu poder de Mara sobre ela.
Decidida a não permitir que essa doença lhe tire mais nada, ela decide tomar uma radical decisão. Não é fácil gostar ou apoiar sua decisão, mas ao mesmo tempo fiquei com a sensação “e se fosse eu no lugar dela?”, a doença tirou de Mara o controle do corpo, da mente e da vida, permitir isso não é fácil, mas fico pensando nas coisas e pessoas a serem deixadas para trás, mas ao mesmo tempo volta a questão dos pros e contras de se viver com uma doença tão cruel... Parece confuso, mas na verdade são meus sentimentos que se confundem, exatamente o mesmo desespero de Mara.

“Porque isso não envolve só você! Nem só o que você quer, nem o que você sente! – Ele se inclinou para a frente. Você já pensou nisso? – Isso já passou pela sua cabeça pelo menos uma vez nestes últimos quatro anos? –Ele abriu as mãos. -Você leu os sites, os folhetos do consultório do Thiry . trinta mil pessoas nos Estados Unidos têm DH. Um numero ainda maior é afetado pela DH. Você pode dizer que tem o gene, mas essa doença maldita não é só sua. Claro, a DH está no seu corpo. Mas também esta nessa família. [...] Eu sei que essa doença acabou com você. Mas você parece esquecer que essa doença acabou com a gente também.” p. 244

Como deixar família? Filha? Marido? Amigos? Pais? Como perder momentos únicos, como deliberadamente escolher perdê-los?

“−Eu sinto como se vocês tivessem acabado de me libertar da maior angustia que venho carregando. Ela não vai ter uma mãe. Ela vai ter...”
“−Duas – elas terminaram a frase com ela.” p. 194

Logo no inicio eu me perguntei se os caminhos de Scott e Mara iam se cruzar, ou apenas iam ser contadas duas histórias dentro de um mesmo livro. A resposta é sim e não. Sim, porque além da questão do tema de perda e amor, ambos encontram em um fórum anônimo conforto e apoio para enfrentarem suas situações da melhor forma possível, Scott tentando compreender como será perder seu Carinha e Mara tentando ser além de uma inválida, não porque nunca se conheceram pessoalmente e ambas histórias são trabalhadas em pé de igualdade.

“Talvez fosse meio louca, ela pensou. E então sorrindo, disse a si mesma que sem o fórum teria enlouquecido de vez. Sua família e seus amigos da “vida real” importavam muito mais, é claro, mas seus amigos virtuais ao tratarem-na como uma pessoa normal esse tempo todo, tinham mantido Mara lúcida o bastante para aproveitar a vida real até ali.” p. 126

Não há como eu dizer qual das duas me emocionou mais, afinal elas mostram a questão da perda sob um novo ângulo, mostram que nem sempre o certo é a resposta correta, agora ambos tem cinco dias para se despedir ou mudar o cenário de suas vidas, mas acima de tudo aprenderem que todo o tempo é válido.
Julie Timmer criou o enredo de forma a mexer com as minhas emoções de tal forma que eu rezei por um milagre o livro todo! Eu queria o final feliz, eu precisava dele pra continuar acreditando que tanto Mara, Scott, assim como Curtis Tom, Lank, Laurie seriam felizes, só que eu não consegui enxergar que a felicidade também é uma escolha e que o que é bom para uns não é para outros, finais felizes muitas vezes são apenas novos começos.
Simplesmente uma história pra se emocionar da primeira à última página e sim, uma das melhores leituras do ano! Será um daqueles livros marcantes que ficam na memória mesmo depois de muito tempo.


7 comentários:

  1. Oi Thaila!
    Menina, quando a NC anunciou seus lançamentos esse foi um dos poucos que me chamou atenção. Gosto de tramas mais fortes, que mexam com meus sentimentos e me emocione. E se a Jodi Picoult elogia, pra mim já basta pra comprar (eu adoro os livros dela justamente por sempre me emocionarem).
    Fico feliz que tenha gostado da leitura, tão bom quando um livro é bom assim, né? Sua resenha ficou linda!
    Beijos
    Coisas de Meninas

    ResponderExcluir
  2. Oi Thaila!
    Esse livro não me chamou a atenção quando vi, acabei dando mais importância à capa e não li direito a sinopse... Depois da sua resenha preciso ler, parece ser uma história triste porém marcante.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi Thaila!
    Já vou separar os meus lencinhos, que estou vendo que vou chorar durante a leitura rs
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Thaila! Quando a NC anunciou o lançamento não chamou muito minha atenção, percebo agora que deixei passar uma ótima obra, assim que tiver oportunidade lerei. Com o selo da Jodi e o seu de qualidade, não dá para dispensar.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Gooooostei muito da sua resenha e os livros da NC sempre são ótimos né?Sei lá, pelo menos eu curto :P

    A história é intrigante e pelo jeito que você conta, é ótimo do jeito que o tema é abordado.

    Gostei ^^

    beeijos
    http://carolhermanas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Thaila,

    Essa é a primeira resenha que leio desse livro, não tinha me despertado interesse mas a sua resenha mudou minha opinião, dica anotada....abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ainda bem que não pedi esse livro, eu já nem iria gostar dele.
    Tô aqui num drama com Zac e Mia que achei ruim e não consigo escrever a resenha :(

    Beijinhos, Helana ♥ ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela será muito bem vinda e levada em consideração para promover melhorias!

 

felicidade em livros 2013 - 2015 * Template by Ipietoon Cute Blog Design Modificado por Fabiana Correa