Resenha O Menino dos Fantoches de Varsóvia




O Menino dos Fantoches de Varsóvia
Eva Weaver
Novo Conceito, 2014

Sinopse: Mesmo diante de uma vida extremamente difícil, há esperança. E às vezes essa esperança vem na forma de um garotinho, armado com uma trupe de marionetes - um príncipe, uma menina, um bobo da corte, um crocodilo...
O avô de Mika morreu no gueto de Varsóvia, e o menino herdou não apenas o seu grande casaco, mas também um tesouro cheio de segredos. Em um bolso meio escondido, ele encontra uma cabeça de papel machê, um retalho... o príncipe. E um teatro de marionetes seria uma maneira incrível de alegrar o primo que acabou de perder o pai, o menininho que está doente, os vizinhos que moram em um quartinho apertado.
Logo o gueto inteiro só fala do mestre das marionetes – até chegar o dia em que Mika é parado por um oficial alemão e empurrado para uma vida obscura.
Esta é uma história sobre sobrevivência. Uma jornada épica, que atravessa continentes e gerações, de Varsóvia à Sibéria, e duas vidas que se entrelaçam em meio ao caos da guerra. Porque mesmo em tempo de guerra existe esperança...


“Assim, sempre que você vir um casaco comum, pense no que pode existir em suas dobras, quais memórias podem estar escondidas em seus bolsos. Talvez ele lhe sussurre coisas durante a noite. Há mais histórias costuradas em suas mangas, e muitos tesouros guardados em seus forros.” p. 391


Decepcionada comigo mesma, como deixei esse livro parado tanto tempo? Eu que adoro enredos de guerra fiquei com aquele amargor por ter demorado tanto tempo para ler! A história é emocionante, visceral e cativante.

Em Nova York no ano de 2009 o senhor Mikhail Hernsteyn, Mika, compartilha uma história triste e cheia de segredos sobre o menino dos fantoches de Varsóvia com seu neto Daniel. Pelas lembranças do jovem Mika o leitor é convidado a conhecer Varsóvia em plena Segunda Guerra, com a ocupação nazista.

A Segunda Guerra mudou muito a vida da família Hernsteyn e de outras tantas famílias judaicas-polonesas que foram extraídas de suas casas, sitiadas no Gueto de Varsóvia que foi a real separação entre arianos e os chamados de “classe inferior” em mais uma tentativa descabida de limpeza da raça humana. Assim como tudo o que os nazistas faziam para os judeus, o gueto era uma verdadeira e miserável prisão: pouca comida, muita gente, muitas doenças. A miséria, o desanimo e a constante coação e medo foram companheiros de outros tantos que assim como Mika viram sua rotina, seus lugares preferidos, sua paz serem destruídos.


"Quando passei pelo portão do gueto, toda a minha infância e tudo que eu mais amava foram arrancados de mim." p. 29


É justamente no Gueto que Mika conhece um dos maiores segredos de seu avô: um casaco cheio de bolsos que abre portas para o mundo mágico dos fantoches. Após perder o avô Mika encontra um pequeno fantoche e um dos múltiplos bolsos do casaco e assim estabelece uma relação de sanidade com a criação dos fantoches e também com a encenação de pequenas histórias, levando alegria até mesmo onde as trevas no nazismo já pareciam impregnadas.

Justamente por suas pequenas encenações Mika ganha a simpatia de Max, um soldado alemão, não nasce uma amizade, afinal ambos estão em lados opostos nessa peleja, mas nasce uma empatia, uma sintonia que passará gerações e marcará para sempre quem eles foram e o que seriam na trama.

O mais interessante na história é justamente a ampla pesquisa para a composição do enredo, o gueto existiu assim como todas as suas adversidades, houve uma revolução polonesa contra o nazismo situada exatamente nesse gueto, liderada por Mordechai (importante líder polonês na luta contra as atrocidades nazistas), ou seja, além dos elementos ficcionais a autora se valeu de muita história, dando realidade e sendo muito bem trabalhos os detalhes, descrições, ambientação. Eu me senti em Varsóvia, eu senti a opressão do gueto, o medo, a angustia.


“Naquela época, a morte não tinha a imagem clássica do esqueleto coberto por um manto negro carregando uma foice. Não, a morte usava uniforme elegante feito na Alemanha para a elite do Reich.” p. 209-210


Trazendo um personagem alemão importante para a história a autora também dá uma dimensão histórica, eu mesma em muitos momentos me questionei sobre remorsos, sobre culpas que esses alemães possam ter sentido por todo o sofrimento, morte e devastação causado, não apenas os soldados, mas as gerações que vieram após eles e eu gostei, pois a autora também traz esse “outro lado”, não numa tentativa de minimizar atos e atitudes, mas como expô-los para debate. É a prova de que a guerra marcou e muito a vida das pessoas: as que sobreviveram ao massacre e as que vieram após o mesmo.

Dividido brilhantemente em três partes, O menino dos fantoches de Varsóvia, é um retrato de uma guerra visceral, mas que mostra que a esperança ainda sobrevive mesmo nas piores condições: amor, risos e esperança, além da luta que te faz rir e chorar, ao passo em que coloca em xeque convicções, te apresenta um outro lado da guerra e novamente te emociona. É simplesmente maravilhoso! Não há reais palavras para descrever as emoções sentidas, é um livro para ser vivenciado em vez de lido!

7 comentários:

  1. Ai Thaila, esse livro parece ser triste.

    Amei sua resenha, porém no momento, passo o livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ai guerra :/ Não to muito na vibe de livro triste, mas esse já me prendeu apenas pela resenha, parece ser realmente muito bom.
    http://souadultaagora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    O livro parece intrigante mas triste. Não me dou muito bem com leitura assim, hehehe.

    Beijos
    <3

    http://platinarosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oioi...que saudade eu estava desse cantinho :)
    Nossa já tem tempo que estou querendo ler esse livro mas ainda não consegui pois a lista de leituras só aumenta. Mas que bom que você gostou e adoro livros sobre guerra e que no final nos mostra que a esperança não deve morrer. Estou ansiosa para ler.
    Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Thaila! Que resenha emocionante, o livro parece ser mesmo muito comovente e eu tenho e não li até hoje. Obrigada pela dica.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?

    Parabéns pela resenha!! Esse livro está na minha listinha infinita!!
    Estou apaixonada pelo seu blog, estou te seguindo!
    Beijos,
    https://teattimee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pela resenha Cila! Estou ansiosa para ler O Menino dos Fantoches de Varsóvia! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela será muito bem vinda e levada em consideração para promover melhorias!

 

felicidade em livros 2013 - 2015 * Template by Ipietoon Cute Blog Design Modificado por Fabiana Correa