Resenha Ligeiramente Perigosos



Ligeiramente Perigosos
No início era apenas antipatia, mas logo eles foram dominados por uma impetuosa paixão
Os Bedwyns # 6
Mary Balogh
Arqueiro, 2017

Sinopse: Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.
Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.
Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.
Em Ligeiramente Perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.

Wulfric, finalmente Wulfric... Eu realmente estava ansiosa para ler a trama dele, o senhor de gelo, o rei do monóculo, aquele que ao mesmo tempo protegia e aterrorizava, que impunha, que detinha, o sem coração, o fechadão, aquele que deixou ver uma pontinha de esperança ao abraçar Alleyne. Cara eu queria muito esse livro!

E Mary Balogh não poderia ter escolhido uma personagem feminina mais ideal e menos provisória para ele: Christine Derrick, a bela viúva nada convencional. Christine é totalmente o oposto de Wulfric, enquanto ele é quieto, ela é faladeira, enquanto ele é austero, ela é um bálsamo de divertimento: brincalhona, sorridente, um pouco atrapalhada, tudo que Wulfric não deseja para si, nem para seu ducado. Claro que quando se encontraram aquela velha música “Oi tudo bem? A gente ficou, coração gostou...” nunca fez tanto sentido quanto nessa trama. Wulfric, o magnata ouvindo um não? Apaixonei!

"Ela antipatizava intensamente com o duque de Bewcastle. Mais do que isso, sentia imenso desprezo por ele e por tudo o que ele representava. Também sentia um pouco - muito pouco - de medo dele, embora preferisse ser torturada a admitir aquilo para qualquer outro mortal." p. 73

Christine é uma jovem viúva, mas que pelos costumes da época já seria considerada uma velha e, portanto deveria estar enfrentando com resignação os anos que ainda restariam, amargando a tristeza... não a nossa Christine, ela tem uma vida para si, sem grandes luxos, mas com grandes realizações: aulas para crianças, o convívio feliz com a família, o carinho de todos, apesar de um pouco atrapalhada em alguns momentos, ela é divertida e muito carismática, impossível não torcer um bom tanto por ela.

Christine tem seu passado sofrido, suas próprias amarguras, suas dificuldades e isso só vai ficando claro aos poucos, por isso é impossível não querer descobrir seus segredos! Não é que ela use uma máscara ou algo parecido, mas como uma mulher que sofreu prefere a reserva, e essa reserva também é um estopim para Wulf que de forma nenhuma esta acostumado a lidar com isso.

A trama é muito boa, ver cada amarra de Wulfric, cada muralha que durante tantos anos ele construiu por conta do ducado, das responsabilidades com os irmãos, ir caindo pouco a pouco não apenas por causa de uma mulher, mas por causa do amor por uma mulher foi realmente lindo, emocionante em alguns pontos a meu ver. A austeridade de Wulfric comparada a espiritualidade jovem de Christine foi aquele balanceamento que ambos precisavam.

Os dois começam como cão e gato, prontos pro ataque, duas almas tão diferentes, duas realidades distintas, duas criações diferentes e que aos poucos vão cedendo ao que sentem, o perigo esta justamente ai, em ceder, em cair em tentação, em deixar tudo o que tem como certo e se arriscar em prol de um sentimento.

"A Sra. Derrick espalhava luz, apesar das sombras que ele vira nela de relance. E, por mais que não desejasse, Wulfric ainda estava fascinado por aquela luz." p. 105

Eu realmente não poderia ter imaginado um melhor final para Wulfric nem para a série, em ambas situações Balogh surpreendeu por transformar o “patriarca” da família mais amada de toda Londres em um homem com sentimentos e ao mesmo tempo conseguiu reunir todos em momentos divertidos e familiares, criando aquela boa familiaridade, aquele ar de reunião familiar que a gente ama em série.

Não dá para não se apaixonar por esse livro, Balogh é uma autora que sabe lidar com as palavras e as emoções. Wulf é tido como um lobo, como seu próprio nome já diz, mas agora com a debandada dos irmãos esse lobo esta solitário e precisa compreender que por traz do duque ainda existe um homem, um homem que pode e merece ser feliz, mas que para isso precisa de uma mulher que o desafie e instigue, que o faça renascer e essa mulher é justamente Christine, por sua jovialidade, espiritualidade. Ao mesmo tempo em que narra seu romance, Balogh nos faz amar um pouco mais o duque, nos permite entrar na carapaça dele e finalmente torcer pelo final feliz daquele que acompanhamos desde o inicio com certas reservas, mas saiba que ao final terminaremos suspirando por ele. É o fechamento perfeito da série, simplesmente amei e posso dizer que já estou com saudade dos Bedwyns!

6 comentários:

  1. Oie Thaila =)

    Como esse é o ultimo livro da série estou dando uma enrolada básica para ler ele rs...

    Já estou morrendo de saudades do Bedwyns e ainda não estou pronta para dizer adeus.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  2. Oi Thaila! Exceto pelo livro da Morgan, os demais me encantaram bastante e este fechou a série com chave de ouro. O melhor volume.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela resenha Thaila! Já li Ligeiramente Casados, Ligeiramente Maliciosos, Ligeiramente Escandalosos, Ligeiramente Seduzidos e Ligeiramente Pecaminosos e amei! Estou ansiosa para ler Ligeiramente Perigosos! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Thaila minha linda adorei sua resenha e confesso que esse livro fechou com chave de ouro essa série. Foi o meu preferido entre todos e não tem como não se apaixonar pelo WUlfric.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Oi Thaila, tudo bem? Eu super concordo com vc, é um casal perfeito! eu dei muita risada nesse livro e agora já estou com saudades dessa linda família!!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Oi Thaila!
    Adoro esses romances que o casal fica brigando!! Ainda não li nenhum da série mas acho que começaria com esse.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela será muito bem vinda e levada em consideração para promover melhorias!

 

felicidade em livros 2013 - 2015 * Template by Ipietoon Cute Blog Design Modificado por Fabiana Correa